Não foi nada

Por Erica Gil Na busca da frequência altero a música e manipulo os passos.A chuva forte molha a minha varanda, reparo o calendário e sei que o sol pode voltar amanhã. Melodia sem ritmo, surgem perguntas clareando o presente, guardei o que restou das cartas amarelas.Observo os meus olhos cansados no reflexo do vidro, pergunto... Continuar Lendo →

Poeta do próprio destino

Por Miriam Costa Pela idade sem gravidade na alma, que escapa do reflexo crítico do espelho e pela construção do poema que sou!Consistente nessa realidade é minha presença na arte, é minha palavra erguida que pulsa sangue para o meu coração.O meu coração tem janelas enormes, abertas sempre para o horizonte que traça no meu rosto... Continuar Lendo →

*Para as amigas*

Por Miriam Costa Sempre sorrir!!!! Como da primeira vez que sorri e me lembro, rodeada pela natureza espelhada na íris dos amigos. Deslembrando deles... encarar o céu partido, mudado mas jamais esquecido, falar sobre as constelações e fotografar os cachorros perto dos portões. (Uma luz forte amarela nos incendeia!)Ouvir o som da minha voz a conversar com as... Continuar Lendo →

Ilusório

Por Erica Gil Esgotei a tinta escrevendo poemas de amor na parede do meu quartoInquietas palavrasSem ritmosSem rimasEnxergava você inteiro em cada estrofeSaiu dos versosAcariciou meu rostoDeixando encabuladaUma narrativa agradávelVocê estava ali e nem sabiaTudo ilusórioEu descrevendo um ser apoéticoCom um amor patético.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora