Lluvia

Por Lua Sousa   Você veio em um pássaro branco, branco como seu belo sorriso. Seu beijo era prisma, separava o branco em sete cores, fora as cores incalculáveis que meus olhos não viram, mas que se fizeram sentir no peito.   Foram dias de sol E areia E muita chuva. Eu não prestei atenção... Continuar Lendo →

Ônibus

Por Lua Sousa Na Física, dois corpos não ocupam o mesmo espaço. Aqui, não apenas dois, mas três pelejam por alguns centímetros quadrados. As leis da gravidade e sociedade se extinguem: quem chegou primeiro tem o direito de olhar feio e soltar um suspiro impaciente, caso o outro passageiro lhe incomode. É durante a viagem... Continuar Lendo →

Operário

Por Lua Sousa O relógio desperta. O homem abre os olhos, vê o teto e levanta, estalando os ossos. Senta-se na beira da cama. "Que colchão duro" - pensa. Coça a barba por fazer e tenta abrir os olhos totalmente, mas eles ardem: esfrega-os. A esposa gorda repousa serenamente na parte funda do colchão. "Em... Continuar Lendo →

Pedrada

Por Lua Sousa Raul foi a mosca na sopa, Eu sou a pedra Quebrando a sua janela. Moro no seu sapato, Faço rachar Seu teto de vidro. Sou aquela que rola ladeira abaixo E atropela o Sísifo. Vou gritar meu silêncio, Tirarei a sua paz! -Pois a minha Nunca me foi apresentada- Implantarei o Caos... Continuar Lendo →

Dentro

Por Lua Sousa Quando o todo torna-se pedaços Que vão cortando os caminhos sem piedade, Uma auto-análise urge ser feita. Lá fora, as pessoas olham, sem preocupação. Enquanto aqui dentro, o solitário menestrel grita Tentando acordar os vizinhos. Eu, que em criança me vi adulta, Hoje tenho medo. Aquele choro descompassado De quando minha irmã... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora