Ilusório

Por Erica Gil Esgotei a tinta escrevendo poemas de amor na parede do meu quartoInquietas palavrasSem ritmosSem rimasEnxergava você inteiro em cada estrofeSaiu dos versosAcariciou meu rostoDeixando encabuladaUma narrativa agradávelVocê estava ali e nem sabiaTudo ilusórioEu descrevendo um ser apoéticoCom um amor patético.

Modus: Insônia!

Por Miriam Costa Se existe algo de eterno na insônia é como ela, sistematicamente, se liga às mesmas pessoas e deixa suas evidências: amarras noturnas!Os acordados não se importam mais com os bocejos, fabricam o seu próprio escuro, também despertam amores com conversas atravessadas de dentro do mundo: figuras sensíveis na alma, de um outro anterior.Madrugada... Continuar Lendo →

Silêncio

Por Erica Gil Devo passar pela sala escura dos meus pensamentos.Você está sentado esperando que eu diga qualquer coisa, nem os olhos se cumprimentam.Estou no outro canto observando.Vejo uma luz no final do corredor. Existe uma porta de saída em outro tempo, e sei que depois daquela porta posso gritar, clamar.Agora não, porque aqui não... Continuar Lendo →

Explore-se

Por: Fellype Ferraz Quando eu era criança meu maior sonho era explorar o mundo, só que as grades do limite o tornaram inacessível, com o passar do tempo comecei a compreender que cada pessoa era um mundo e já não me cabia mais frente ao sonho, havia muito pra explorar, sendo cada pessoa um diferente... Continuar Lendo →

Questionar

Por Erica Gil A vida pergunta e eu não sei questionar.Vejo a trilha e não ostento. Gosto dos pés descalços, procurar borboletas e dançar em outros ritmos.Mergulho no mar revolto, pensamentos descontrolados.O corte aberto, sangro, abraço a coragem e olho com o coração.Não sei questionar.É tanta alma para o mundo derrubar.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora